notícias da pastoral

Beatificada Edvige Carboni, Salesiana Cooperadora Pastoral
Beatificada Edvige Carboni, Salesiana Cooperadora

No sábado (15), em Pozzomaggiore, Sardenha, o Cardeal Angelo Becciu, Prefeito da Congregação das Causas dos Santos, beatificou, em nome do Santo Padre, a Salesiana Cooperadora Edvige Carboni, mulher humilde e forte, com uma “vida toda embebida de Deus”. Ela viveu dedicada aos trabalhos manuais e serviço para a família e para tantos necessitados com quem se encontrou, sendo cumulada de graças e dons sobrenaturais extraordinários.

 

Nascida em Pozzomaggiore em 3 de maio de 1880, queria ser religiosa, mas teve de ficar ao lado da mãe doente. Desde então levou uma vida doméstica sóbria e recolhida, alternando os afazeres da casa com a oração. No dia 14 de julho de 1911, manifestaram-se em seu corpo os sinais da Paixão de Jesus. Esse e outros fenômenos místicos que lhe eram atribuídos foram indagados no Processo canônico de 1925, a que ela se submeteu com total obediência.

 

Transferiu-se, em seguida, a Roma com o resto da família, exatamente nos anos em que estava para explodir a II Guerra Mundial. Desde que se domiciliou em Roma até sua morte (1938-1952), Edvige pertenceu à Paróquia dos salesianos, “Santa Maria Auxiliadora”, da Via Tusculana, aonde ia quase todas as manhãs para a Missa e Comunhão. Ali também se recolhia em oração, normalmente na Capela de Sant’Ana, onde se deram grande parte dos êxtases e fatos prodigiosos. Além disso, no dia 25 de setembro de 1941, se fez Salesiana Cooperadora, Associação fundada por Dom Bosco.

 

Devotíssima de Nossa Senhora, que lhe apareceu várias vezes, dEla obteve numerosas graças. Muitos foram os Santos que lhe apareceram, especialmente Dom Bosco e Domingos Sávio. Em seu diário, se marcaram bem 20 aparições de Dom Bosco (com frequência com Maria Auxiliadora ou com Domingos Sávio). Em tais aparições, Dom Bosco lhe dava sugestões, convidava-a às devoções à Nossa Senhora, encorajava-a nas dificuldades, pedia orações e sacrifícios, mostrava o grande bem que faziam os Salesianos (de muitos dos quais elogiava a santidade) e a convidava a amar as Irmãs salesianas.

 

Disse o Cardeal Becciu na homilia do Rito de beatificação: “A Bem-Aventurada Edvige encarna as mais belas virtudes da mulher de sua época. Entretanto, é da sua vida cotidiana que emergem dados que lhe tornam, mais do que nunca, atual ao testemunho. A sua experiência espiritual – simples e profunda, marcada por uma caridade sem limites, uma humildade incomensurável e uma oração incessante – é um modelo sempre atual, porque demonstra que também numa vida simples e ordinária é possível experimentar uma sólida comunhão com Deus e um apostolado caracterizado pela dedicação à humanidade ferida e necessitada”.

 

Fonte: ANS